quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Noé o que parece.

Prazer. Meu nome é Noé. Há alguns anos eu trabalhava com animais. Disse ‘trabalhava’, porque fui demitido. Por dormir durante o serviço. Mas foi sacanagem o que fizeram comigo. Certa vez, um ricaço barbudo entrou em contato conosco solicitando a entrega de centenas de animais. Um casal de cada espécie. Mas tinha que ser os melhores. Alguém tinha que reunir todos os animais e selecionar o melhor casal. Quem foi incumbido de tal tarefa? O estagiário aqui. Lá fui eu. Comecei pelos animais mais tranqüilos. Coelhos. Preás. Esquilos. Fiz a lista. Havia pelo menos 50 de cada. Resolvi passar para os animais mais raros, pois assim não teriam tantos. Mico-leão-dourado. Onça pintada. Tamanduá bandeira. Em média de 15 cada. Na parte do aquário quase morri afogado. Acho que engoli uns 10 betas. As aves foram as mais difíceis. Como eu quis ter asas. Na vez dos pardais, perdi a conta. É a espécie mais populosa do mundo. Peguei dois quaisquer. Pardal é tudo igual. Cheguei no setor fazenda. Vacas. Cavalos. Ovelhas. Ao todo devia ter uns 200 animais nesse setor. Ainda bem que sempre fui bom em matemática. Aí veio a cagada. No cercado ao lado contei 17 carneirinhos. Depois disso eu dormi. Até hoje não engulo essa história. Acho que foi armação pra cima de mim.

6 comentários:

Anânima disse...

Mineiro, Noé que você é muito criativo?
Na verdade você é bom prá burro ,cavalo, beta, pardal, tudo tudo!
E também não entra em barco (canoa) furado.

ph disse...

bão prá cachorro,gato,codorna...

Mariana disse...

Genial!

Beraldo disse...

Rafael, agora com o seu texto eu entendi a história toda. O patriarca não afogou porque dormiu. Além disso a demissão foi por justa causa: onde já seu viu trombar no monte Ararat ??!!!! Só dormindo. Obrigado por me ajudar no entendimento biblíco desta arrumação diluviana.

Rafael Britto disse...

foda!

Rafael Britto disse...

foda!