quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Liberdade

A Liberdade já não é mais a mesma. Bons tempos aqueles quando tínhamos uma Liberdade verdadeira. Com seus princípios respeitados. E a igualdade imperava. Imaginem só, que hoje fui até a tal Liberdade, com o único e simples intuito de comprar um (pequeno) bonsai. Imaginei redundantemente que lá encontraria dos mais diversos tipos, tamanhos e preços. Que encontraria lojas especializadas. Com faixas “bonsais a rodo”. Achei que teriam bonsais espalhados e plantados pelas calçadas. Que teriam pessoas regando seus bonsais nas janelas de suas casas. Pessoas passeando com seus bonsais. Mas ao contrário disso, não vi nem sombra de bonsai algum. Nem sequer um souvenir de um bonsai em miniatura. Se é que um bonsai já não é um souvenir em miniatura. E pior. Cansado de procurar, perguntei a uma nativa onde poderia encontrar. Me respondeu com um riso debochado que “por aqui não há”. Fiquei pasmo. E sem contar que esperava ver samurais com espadas andando pelas ruas. Levando seus filhos pra escola. Levando a espada para afiar. Pensei que encontraria pessoas com mais de 120 anos. Que encontraria o Jaspion. Ou o Jiraya. Achei que veria um tanto de gente igual. Mas nem essa igualdade eu vi por lá. Mas o que vi foi apenas um bairro paulistano. Sem Godzilas e samurais. E sem bonsais. Fiquei chateado. E agora? O que que eu vou fazer com essa tal Liberdade? E se eu quiser comer yakisoba com ketchup eu como. Porque o que importa é ficar gostoso.

6 comentários:

luckão disse...

uahuhauhauha

O melhor texto do mundo!!!

falou td mundo mineirão!!!

Se eu quiser comer yakissoba com ketchup eu como e foda-se!!!uahuahu

ana lúcia disse...

`Parece que não há muitas " koisumis" na Liberdade

bruno nobru disse...

rs.. muito massa..

ph disse...

liberdade ainda que a tardinha

Gabriela disse...

teve a manha, veím! curti demais!

Marcio Guedes disse...

Muito bom!
Pensando igual a você, eu estava quase indo à Liberdade para comprar um bonsai. Seu (divertido) texto me poupou a viagem.
Valeu!