sexta-feira, 22 de julho de 2016

Caixa

Tenho uma caixa fechada que só abre a duas chaves.

Uma chave sempre tive. A outra sempre procurei.

Nunca consegui abrir essa caixa, pois me faltava essa segunda chave.

Gritei. Chorei. Esbravejei. Mas nada adiantava.

Cheguei a desistir de tentar abri-la. Tive medo. Muito medo.

Até que um dia, a outra chave apareceu.

O momento perfeito para abrir a caixa. Desvendar o que tem dentro.

A chave nova encaixou perfeitamente e logo se pôs a girar para abrir.

Girou, girou e girou...

Girou pra todos os lados.

Sutilmente. Carinhosamente. Energicamente. Apaixonadamente.

Mas a caixa não abria.

Seria a chave errada? Não. Era essa a chave certa.

Mas então, qual o problema?

.

E a chave nova tentando, tentando e tentando...

O tempo foi passando e a chave foi se desgastando.

Perdendo a força.

Até que cansou de girar e foi embora.

.

.

.

O problema não era a chave nova e sim a chave antiga.

De tanto tempo sem ser usada, enferrujou.

E agora a caixa volta a ter apenas uma chave.

Impossibilitada de abrir, a caixa chora.

Nenhum comentário: